Apocalipse

O Apocalipse é um livro da biblia (livro sagrado do Cristianismo). Ele também conhecido como Apocalipse de João. A palavra Apocalipse do grego,αποκάλυψη, significa 'revelação'. Segundo a terminologia do judaísmo e cristianismo, apocalipse é a revelação divina de algo que até então permanecia secreto a um profeta escolhido por Deus. Devido ao fato de, na maioria das bíblias em língua portuguesa se usar o título Apocalipse e não Revelação, até o significado da palavra ficou obscuro, sendo às vezes usado como sinônimo (errôneo) de 'fim do mundo'. Para os cristãos, o livro possui a previsão dos últimos acontecimentos antes, durante e após o retorno do Messias de Deus. Alguns protestantes e católicos entendem que os acontecimentos previstos no livro já teriam começado. A literatura apocalíptica tem uma importância considerável na história da tradição judaico-cristã-islâmica, ao veicular crenças como a ressurreição dos mortos, o dia do Juízo Final, o céu, o inferno e outras que são ali referidas de forma mais ou menos explícita. No entendimento simbólico dizem basicamente que se referem às perseguições que os cristãos sofreram dos romanos e sofreriam ao longo da história. Segundo este entendimento, João utilizava simbologia para detalhar o sofrimento que estavam passando, e utilizava esse meio para falar com outros cristãos e dificultar assim o entendimento por parte de seus opressores. Na profética, segundo uma teologia comum das igrejas protestantes, João teria recebido visões através de Jesus Cristo  por meio de um anjo, que mostrou-lhe o que aconteceria durante o período da presente dispensação (até o fim do mundo). De entre estes acontecimentos está o mais famoso que é o Juízo Final, que seria o resultado (eterno) do acatamento ou não dos apelos do Novo Testamento. Segundo à visão espírita-cristã acerca do Livro das Revelações, João Evangelista, sob a orientação do Alto, deixa registrada para a posteridade uma carta em forma de revelação profética - Uma revelação autêntica sobre o futuro próximo a aquela época, e os tempos do fim. As mensagens e revelações contêm linguagem figurativa, que sugere as realidades espirituais em torno e por trás da experiência histórica. Evidências encontradas no próprio texto, indicariam que o Livro do Apocalipse fora escrito durante período de extrema perseguição aos cristãos, provavelmente no período compreendido entre o reinado de Nero, em julho de 64 d.C., e a destruição de Jerusalém, em setembro de 70 d.C., como relata Estêvão, no livro Apocalipse - Uma Interpretação Espírita das Profecias. 

 

Os 4 Cavaleiros do Apocalipse 

Os Quatro Cavaleiros do Apocalipse são quatro naturezas, como divindade que assumem a forma humana, enquanto na Terra. Elas retratam arautos do apocalipse, e são desencadeadas pela liberação de Lúcifer do Cage. Apesar de ter sido insinuado pela alegação de que a guerra de suas essências e influência ainda estavam presentes muito-muito antes do lançamento de Lúcifer. Os quatro são conhecidos respectivamente como: Guerra, Fome, Peste e Morte. Os Cavaleiros são nem anjos nem demônios, mas sim uma espécie separada do ser que não pode ser destruída. Cada um possui um toque especial que lhes permite canalizar e focalizar os seus poderes (sem que eles são dificultadas), e cada um, como manda a tradição do Livro do Apocalipse, viaja em um carro de sua preferência com a cor de cada cavalo é dito para andar na Bíblia (a sua escolha de carros com mais cavalos sendo um sinal de que eles têm "obtida com os tempos"). Os Cavaleiros são revelados para não ser verdadeiramente em ambos os lados, o Céu ou inferno, mas eles são definitivamente leais uns aos outros e os seus empregos para os quais foram criados. Depois de Lucifer se levanta de sua gaiola no Inferno, ele assume o comando dos Cavaleiros (aparentemente através da utilização de um feitiço para obrigá-los a cumprir suas ordens) e direciona-los na promulgação de seu genocídio contra a Humanidade. Revela-se, porém, que pelo menos alguns dos Cavaleiros ressentem uso de Lúcifer deles em sua luta com Deus, em última análise, revelando que ele só tem controle limitado sobre elas. Quatro Cavaleiros de Revelação são personagens descritos na terceira visão profética do apóstolo João no livro bíblico de Revelação ou Apocalipse. São geralmente representados pelos símbolos relacionados na narrativa : Conquista (ás vezes 'O anti-Cristo), Guerra, Fome e Morte, embora somente o cavaleiro da Morte seja identificados por nome. Eles aparecem na medida em que os selos do manuscrito são rompidos, na série deu-se a entender que eles sempre estiveram entre nós, com exceção da Morte que teve que ser invocada por Lucifer, mas só puderam agir livremente com a vinda do Diabo. Todos os cavaleiros possuem aneis de onde tiram seus poderes, apesar da Morte ter entregado o seu de bom grado a Dean. Mais tarde se soube que esses aneis são também a chave da jaula de Lucifer. 

Guerra : 'E saiu outro, um cavalo cor de fogo; e ao que estava sentado nele foi concedido tirar da terra a paz, para que se matassem uns aos outros; e foi-lhe dada uma grande espada.'

Foi o primeiro dos Cavaleiros a aparecer, tinha o poder de criar ilusões e o usou para colocar uma cidade em guerra com ela mesma, cidadão contra cidadão, amigo contra amigo, irmão contra irmão. Biblicamente falando, o Cavaleiro do cavalo vermelho, que tem uma grande espada, símbolo das guerras sangrentas. Acredita-se que o mesmo representa os flagelos, os meios peloas quais Deus castigaria e oprimiria os adoradores da besta e do falso profeta.

Fome : 'E eu vi, e eis um cavalo preto; e o que estava sentado nele tinha uma balança na mão. E eu ouvi uma voz como que no meio das quatro criaturas viventes dizer : "Um litro de trigo por um denário, e três litros de cevada por um denário"; E não faças dano ao azeite de oliveira e ao vinho.'

Um velho com uma aparência horrível, claramente debilitado, se alimentava de almas (humanas ou mesmo demoníacas). Representava o desejo reprimido, seja ele qual for, até mesmo Cass foi afetado. Na bíblia ele representaria mais a fome física mesmo, preços altos, crise econômica (isso explicaria a frase final sobra trigo e tudo mais). Montado em um cavalo negro, carregando uma balança que representaria os alimentos racionados.

Peste : Esse cavaleiro não existe no Apocalipse bíblico. O cavaleiro verde (ou baio, que seria um verde amarelado, semelhante ao de corpos em putrefação) na verdade deveria ser a Morte. De qualquer forma esse seria o cavaleiro que iria espalhar o terrível vírus Croaton, tornando a Terra um parque de diversões para zumbis.

       

Morte : 'E então ouvi a terceira criatura : Venha, e apareceu um cavaleiro baio, o nome do cavaleiro era Morte e o inferno o seguia de perto.'

Eis o cavaleiro que se mostrou mais poderoso na série. Na bíblia, o único que é chamado pelo nome (Morte). Na série é o cavaleiro branco ao invés de baio. Foi invocado por Lucifer e parece ser capaz de matar qualquer coisas, seja anjo, demônio, ceifeiro e supostamente até Deus (palavras dele). Apesar de ser um Cavaleiro, aparenta ser muito mais que isso. Além de ser visivelmente poderoso que os outros três, também não depende de seu anel. É tão antigo quanto Deus e diz ser tão poderoso quanto o mesmo. Segundo ele está trabalhando por obrigação, não se importa com a Terra e odeia Lucifer e por isso teria dado seu anel a Dean. Mesmo sendo tão poderoso, ele se mantêm preso por um feitiço feito por Lucifer. 

 

 

Enquete

Vocês curtiram o site?

Sim. (142)

95%

Não. (3)

2%

Mais ou menos. (4)

3%

Total de votos: 149